quinta-feira, março 03, 2005


Seixal Siderurgia transformada em urbanização

Passada que está a silly season do ultimo governo constitucional a Câmara Municipal do Seixal parece querer competir em numero de aparições publicas nos media, mesmo não havendo noticia para dar, o senhor presidente la vai aparecendo nos jornais para além do omnipresente boletim.Certamente já estamos a pensar nas proximas autarquicas

.O executivo CDU bem se esforça face à parca e má obra, para mostrar serviço e assim invadir o espaço mediático (talvez em breve o possam ser na plenitude embora não por sua escolha ou timing...) e as noticias do Seixal lá vão saindo em catadupa.A ultima conta de uma parceria que tem como protagonistas a Câmara,a Siderurgia e a Urbindustria e um protocolo aprovado por unanimidade em sede de Assembleia Municipal para "reconversão" dos 400 ha dos terrenos da Siderurgia Nacional do Seixal.
São os seus vectores:
-A requalificação ambiental.
-Descontaminação do solo.
-Criação de novas infraestruturas.
De que resultarão quatro àreas:
-Uma que será a terceira fase do Parque Industrial do Seixal.
-Outra que será uma àrea logistica e comercial.
-Outra destinada á industria pesada (Brasileiros da CNS)
- E (a cereja no bolo) "uma àrea de extensa frente ribeirinha a preencher por habitação e comércio".

Da declaração de intenções ficamos também a saber que "há estudos ambientais aprovados para 112 hectares onde parece existir um passivo ambiental da responsabilidade do Estado" DO ESTADO??? O Estado que somos nós contribuintes? Mas porquê a nós esse ónus e não à empresa que durante mais de trinta anos poluiu? Ou a quem vai agora lucrar e muito com os projectos agora apresentados se estes avançarem, como não se espera que o futuro Ministro do ambiente permita?

É UM ESCÂNDALO!!!Em Várias vertentes.

Nos anos sessenta, o Senhor Dr.Salazar quiz agradar as Sr Champallimaud expropriou pesto de quinhentos hectares de magnifico terreno agricola e natural, compulsivamente e por "tuta e meia", para que ele pudesse instalar a Siderurgia , negócio de que muito lucrou o empresário , não tanto a região ou o país que consideraou na altura tal negócio estratégico e util.

A Siderurgia laborou cerca de trinta anos (provocou um largo surto de imigração que desertificou muitas aldeias alentejanas) e tornou a Aldeia de Paio Pires um suburbio e o seu ex libris, a "Quinta da Palmeira" numa memória. Durante mais de trinta anos poluiu e ficou obsoleta, deixando para trás um enorme ónus de desemprego e caos ambiental.

Nos finais da década de noventa, abandonado que foi o projecto da sua ampliação, transformaram (fora do objectivo para que tinham sido expropriados os terrenos naturais,florestais e agricolas) alienou-se e reconverteu-se esta unidade transformando parte dos terrenos no que se pretende ser o "Parque Industrial do seixal" (PIS).

Agora a coberto da reconversão ambiental (ónus do estado e não de quem dela lucrou ou vai exponencialmente lucrar) aparece esta negociata fatal, o verdadeiro ovo de Colombo, na linha das já conhecidas parcerias da Câmara do Seixal ; Juntam-se três empreendedores (Câmara, Sirerurgia e Urbindustria) fatiam aquele filet mignon, mas em vez de devolverem à natureza ou aos antigos proprietários (uma vez esgotado o fim da expropriação) , servem-se do estado para limpar para depois repartir lucros urbanizando 400 hectares a seu bel prazer...Magnifico, melhor é impossivel...Saldanha Sanches, que brando que foi ontem com esta gente!!! Posted by Hello

3 comentários:

Anónimo disse...

Como é? 1)Expropriaram uma quinta para uma fábrica? 2)Essa fábrica poluiu durante anos e fechou? 3)Somos nós que vamos pagar a despoluição que essa fábrica fez? 4)A Câmara e empresas privadas vão urbanizar o terreno despoluido e pago por nós para depois lucrar ? Mas isto é que país? Que palhaçada é esta meus senhores?

MJSilva disse...

Penso que estão enganados nas afirmações que fazem.
1 - A Siderurgia Nacional foi implantada em 1960 (Antes d 25 de Abril)
2 - Foi uma mais valia para o país e deu emprego a mais de 6000 pessoas
3 - Encerraram-na (Governo do Màrio Soares) e despediram os trabalhadores
4 - o Governo vendeu-a por tuta e meia a uns italianos deixando um enorme passivo ambiental por resolver
5 - Esses italianos venderam com lucros de milhões aos espanhóis que lá estão hoje
6 - Os resíduos continuam
7 - Compete ao Governo resolver este passivo ambiental e não à Câmara (Que não foi vista nem achada neste processo)
8 - Agora que a Câmara consegui um compromisso com o Governo (URBINDUSTRIA È EMPRESA PUBLICA DO GOVERNO), para despoluir e requalificar aquela zona, voces criticam?

Quer me parecer que este ponto verde deve ser ponto rosa ou laranja, com MUITAS CULPAS NO QUE ACONTECEU! pois a Câmara não tem qualquer responsabilidade.

Leiam qualquer coisa sobre a historia do Concelho pois estão a dar má imagem e alguem pode chamar-vos ignorantes.

Tavares disse...

ò sr ponto verde, quero dizer-lhe que a Siderurgia Nacional não éra uma empresa privada, era do ESTADO, logo pública. Assim quem é responsavel pela poluição é o ESTADO. Incrivel que diga tanta baboseira!